Terça-feira, 30 de Março de 2004

Les triplettes de Belleville (Bellevile rendez-vous)

triplettes.jpg


Ainda não foram ver? Então, vão. Eu fui e deixo aqui a minha opinião, sem polémica nem "paixão", está prometido.
É um filme de animação. Não é um filme para crianças. Não é um filme para quem só gosta de animação da Disney e congéneres (sem qualquer desrespeito por muita coisa boa que tem sido feita nesse registo). É um pequena preciosidade (78 min.), daquelas que o cinema nos dá algumas vezes e nos leva a interrogarmo-nos como é que chegam aos circuitos comerciais, com tanta cortina de fumo visual que por aí anda. Claro que as nomeações para prémios importantes do cinema tiveram a sua influência. A saber:

Festival de Cannes 2003 - Selecção Oficial

OSCARS 2004 - 2 Nomeações: Melhor Filme de Animação e Melhor Canção

Melhor Filme de Animação
Críticos de Nova Iorque, Los Angeles, Seattle e San Diego

3 Nomeações CESARS do Cinema Francês 2004: Melhor filme, Melhor 1ªObra, Melhor Música

É um filme estranho, por vezes engraçado, com um ambiente degradado e humor negro q.b. Apela às referências da sociedade francesa dos anos 50-60 (De Gaulle, o tour de France, Jacques Tati), com momentos revivalistas do jazz/vaudeville dos anos 30 que se corporizam nos artistas que actuam no teatro de Bellevile, incluindo as trigémeas. Tem uma música que não sai do ouvido no dia seguinte (ainda a ando a cantarolar).
Pelo ambiente de thriller burlesco, pelo caracterização das triplettes, de Bruno (o cão com um severo trauma relacionado com comboios), dos americanos gordos, da mafia francesa, etc. vale a pena ir ver. E quanto mais não seja para, no meio dum filme todo falado (resmungado? grunhido?) em francês, ouvir cantar em bom português "Uma casa portuguesa" na voz de Mme Souza, a avó e heroína... Querem saber mais? Deixo o link do site oficial.


Site oficial do filme "Les triplettes de Belleville"


publicado por lique às 21:56
link do post | quer comentar? | ver comentários (12) | favorito
|
Segunda-feira, 29 de Março de 2004

O sal da língua

andrade.jpg


Escuta, escuta: tenho ainda
uma coisa a dizer.
Não é importante, eu sei, não vai
salvar o mundo, não mudará
a vida de ninguém - mas quem
é hoje capaz de salvar o mundo
ou apenas mudar o sentido
da vida de alguém?
Escuta-me, não te demoro.
É coisa pouca, como a chuvinha
que vem vindo devagar.
São três, quatro palavras, pouco
mais. Palavras que te quero confiar,
para que não se extinga o seu lume,
o seu lume breve.
Palavras que muito amei,
que talvez ame ainda.
Elas são a casa, o sal da língua.


Eugénio de Andrade
publicado por lique às 21:26
link do post | quer comentar? | ver comentários (29) | favorito
|

Manhã (II)

Era segunda - feira. Logo que chegou ao gabinete, ligou o computador, viu o mail e começou com a habitual lista de telefonemas, marcação de reuniões, leitura do correio que naquele dia parecia não acabar. A motivação para o trabalho tinha desaparecido naquele fim de semana cinzento. O telefone tocou. Sabia que era uma das “suas meninas” (era assim que os amigos lhes chamavam) com algum problema urgente. Esperou que tocasse três vezes até atender. Nem com elas lhe apetecia falar. Afinal era uma das filhas, também com algo muito urgente (não era sempre?). Prometeu resolver tudo, pensou para consigo que essa era uma das suas “funções” como mãe… Olhou pela janela para o campo lá fora onde, naquele dia, nem sequer havia cavalos. A visão dos cavalos livres naquele espaço dava-lhe sempre ânimo. Vá lá que o sol tinha resolvido mostrar-se. Pensou que o seu estado de alma já tinha sido descrito por muitos dos poetas que lia. Mas não lhe apetecia pensar em poemas. Disse para consigo que tinha que enfrentar a vida sem poemas e também sem grandes ilusões. Afinal já nem tinha idade para ilusões… Ah, a idade! Procurou não pensar muito nisso. Aliás, não era a idade a razão daquele desânimo. Ela sabia o quanto o convívio diário com aquela amiga lhe ia fazer falta. Custava-lhe a admitir até que ponto os outros lhe eram necessários. Habituada a ser independente, tinha dificuldade em gerir aquele sentimento de perda. A amiga ia reformar-se e, embora soubesse que podia contactar com ela, nunca mais seria o mesmo. Tanto tempo de troca de experiências, de apoio mútuo…Pensou como tudo ia ser mais complicado, sem ela. O telefone tocou outra vez. Detestava a interrupção do pensamento por algo estranho, intruso. Atendeu com um seco “estou!” e do outro lado sentiu a hesitação da voz de M. “Era para saber se queres ir almoçar connosco…”. Pensou que não, não lhe apetecia, para quê? E respondeu: “Claro, a que horas vão sair daqui?”.
publicado por lique às 12:05
link do post | quer comentar? | ver comentários (13) | favorito
|
Domingo, 28 de Março de 2004

Porquê as crianças?

children.jpg


His children are far from safety; they shall be crushed at the gate, without a rescuer Job, 5:4



Segundo um artigo que li na Sic online, ontem, o refúgio Aboim Ascensão, em Faro, não aceita crianças deficientes, portadoras de HIV ou outras infecções sem tratamento. Cito:
“A carta a que a SIC teve acesso leva o carimbo do refúgio e a assinatura do seu presidente não deixando, pois, margem para dúvidas. Na lista dos exames que antecedem o internamento da criança o refúgio exige que o pedido seja acompanhado de uma declaração médica que prove que a criança não é portadora de doença infecto-contagiosa sem tratamento ou de deficiência.
Luís Vilas-Boas, o presidente do refúgio, e da comissão de acompanhamento da lei da adopção, argumenta que estas regras não mudam desde 1986, ano da fundação. Diz que esta é uma "opção institucional". "É a nossa aptidão, é a nossa capacidade, é a nossa disponibilidade, e não há outra", explicou.
Vilas-Boas louva as instituições que se dedicam a acolher crianças deficientes ou com HIV e afirma que ele próprio há oito anos que tem em projecto a construção de um abrigo para crianças diferentes a requererem, em seu entender, um tratamento especifico. Entretanto, o refúgio que dirige exclui assumidamente as diferentes da lista de candidaturas.
Na página da instituição na Internet, claramente se percebe que estas exigências não estão contempladas. Na letra oficial, o texto de apresentação do refúgio não determina quaisquer exclusões.”


Não é muito meu hábito trazer para aqui estas notícias, mas, em meu entender, isto ultrapassa em muito os limites do aceitável. Eu li mal ou discriminam-se as crianças deficientes e com HIV por uma questão de disponibilidade e , por outro lado, planeia-se um abrigo só para crianças “diferentes” a exigirem tratamento especial ? Que é feito da integração destas crianças na sociedade, do seu direito de conviverem com outras crianças, sejam elas deficientes, portadoras de HIV ou não? Isto é realmente de mais… E este senhor é presidente da comissão de acompanhamento da lei da adopção…
Aqui fica a minha indignação, como uma opção da qual eu não abdico!

Imagem - Children



publicado por lique às 09:00
link do post | quer comentar? | ver comentários (25) | favorito
|
Sexta-feira, 26 de Março de 2004

Beatriz

Olha
Será que ela é moça
Será que ela é triste
Será que é o contrário
Será que é pintura
O rosto da actriz
Se ela dança no sétimo céu
Se ela acredita que é outro país
E se ela só decora o seu papel
E se eu pudesse entrar na sua vida

Olha
Será que é de louça
Será que é de éter
Será que é loucura
Será que é cenário
A casa da actriz
Se ela mora num arranha-céu
E se as paredes são feitas de giz
E se ela chora num quarto de hotel
E se eu pudesse entrar na sua vida

Sim, me leva para sempre, Beatriz
Me ensina a não andar com os pés no chão
Para sempre é sempre por um triz
Ai, diz quantos desastres tem na minha mão
Diz se é perigoso a gente ser feliz

Olha
Será que é uma estrela
Será que é mentira
Será que é comédia
Será que é divina
A vida da actriz
Se ela um dia despencar do céu
E se os pagantes exigirem bis
E se um arcanjo passar o chapéu
E se eu pudesse entrar na sua vida


Edu Lobo - Chico Buarque

Porque, mesmo no limite da sinceridade possível, todos somos aqui actores ou actrizes
publicado por lique às 09:00
link do post | quer comentar? | ver comentários (12) | favorito
|

sobre mim

pesquisar

 

outras palavras minhas

palavras recentes

Passeando na blogoesfera....

O Beijo

Reinvenção do mundo

de impossibilidades

Fixação

Ritual do silêncio

Poema à mãe

Azul, azul...

Ecos de Abril...

Desencanto

palavras guardadas

Dezembro 2007

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO

subscrever feeds