Domingo, 27 de Fevereiro de 2005

A voz dos amigos (VII)

pedinte-1.jpg


Rosas pretas


Noventa e quatro. porta encarnada. não deixes cair. não deixes cair. pronto molhou-se. a alma dela foi para o céu. não te sujes...a tua mãe... Mãeeeeeeeeeeeee. Nãooooooooo. porra a puta da cadela na vai parir os cães aqui. Jorgeeeeeeeeeeee. o que é que o senhor disse? Oh! Madalena tira esta merda daqui. foda-se outra vez a chover. Alberto, Alberto, Albeeeerto....Mãeeeeeeeeeeeeeeeeeeee


A boca entreabria-se num esgar. Sorriso amolecido na cara escorrendo numa baba transparente e grossa. Sorrindo o víamos nas tardes de fim de tarde quando a casa nos chamava e entre ela e a rua depois do trabalho...qualquer trabalho...se interpunha a rua cheia de gente com, precisamente, uma casa e um trabalho e entre o desejo do primeiro e a fuga do segundo, aquela ou uma outra rua apinhada de outras gentes nas mesmas condições de ir correndo entre. Nesses fins de tarde era que ele se sorria, ou era quando a gente não tinha tempo para o ver sorrir, mas via que ele estava sempre ali naquele meio recanto da loja, muito arrumado aquele monte de cartão e a manta de xadrez e o jornal. Havia sempre um jornal diário muito arrumado em cima da manta.
Na pressa de encurtar a distância do chegar a casa, a gente via, um bocadinho de todos os finais de cada uma tarde correndo entre, a gente ia vendo um dia mais um bocadinho que se enfiava num recanto do ver que às vezes era mais que olhar e deixava assim um quente em alguma parte do corpo da gente que corria entre o trabalho e a casa de recolha do cansaço. E quando esse ficar o corpo a levar o que tinha visto, fosse a baba, o cabelo pastoso e encanecido, a manta, o sorriso. Quando uma imagem qualquer se deslocava colada numa zona qualquer de quem passava, ficava aquilo a que se costuma chamar pena ou tristeza ou raiva ou alguma coisa assim dependendo de quem era a pessoa ou, mesmo, de que intervalo era o que se estava a passar naquele dia entre o trabalho e o rever a casa.

Tremias tanto, Alberto! Foda-se, a merda do jornal ficou de lado. Porra o jornal ficou torto. Arre a merda do jornal tem que ficar direito. Mãeeeeeeeeeeee. Ei! Ai! Olha aquele papagaio de papel do António rasgou-se. Mãeeeeeeeee. Mãeeeeeeeeeee.

As mãos rebuscavam o jornal em gestos rápidos com desvelos. O rosto rasgava-se num rito de ansiedade. Uma voz aparou-lhe o rolar do seu constante pensar-falar-silêncio ruidoso.
- Senhor Alberto! Vamos comer a sopinha?!
Um olhar muito verde desfez-se-lhe de medroso em terno. As mãos pararam sobre as folhas de jornal muito novo, muito folha sobre entre folha. As mãos colocaram o jornal sobre o monte de manta e papelão. O jornal arrumado. O olhar muito verde muito sorriso sempre fixando aquela “Senhor Alberto! Vamos comer a sopinha?!” na cara rosada da D. Marieta de todos os fins de tarde que trazia sempre duas rosas bordadas nos olhos pretos.
Depois da sopa, ela levava as duas rosas que tinha bordadas cada uma no negro dos olhos e deixava-lhe uma luz que se aninhava num nele, no mesmo dele que vibrava sempre que pensava...estava sempre a pensar...e nesse pensar ouvia um ele que nem sabia se ainda era ele ou outro que lhe ficara despegado numa zona do ter sido; e essa luz que as duas rosas deixavam, brilhava no mesmo sítio de si de quando pensava em grito que era tão grito que nunca percebeu porque nunca nenhum dos que passava na rua, entre o trabalho e o ir para casa, lhe perguntou porque é que gritava assim Mãeeeeeeeeeeeeeeeee.



Seila

Foto: Ognid



[Hoje tenho comigo uma escritora extraordinária. Saboreiem o texto porque a escrita da Seila é para saborear, mesmo. Para mim é um duplo prazer porque a considero uma Mulher com letra grande e uma amiga. A bela foto é da autoria do artista de serviço. Obrigada aos dois]
publicado por lique às 21:51
link do post | quer comentar? | ver comentários (1) | favorito
|
Sexta-feira, 18 de Fevereiro de 2005

Aparente proximidade

Em cada dia
há uma palavra
ou mais
que tu perdes
há um som
ou dois
que não ouves
há uma cor
ou muitas
que não vês
Em cada dia
a distância aumenta um pouco
na directa proporção
da aparente proximidade.
publicado por lique às 13:00
link do post | quer comentar? | ver comentários (4) | favorito
|
Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2005

E se fôr saudade mesmo?

Nunca há dias completamente felizes.

A vida é algo de estranho. Dá e tira, como que querendo avisar-nos de que não podemos pensar em momentos felizes sem sabermos que serão "compensados" por outros mais próximos da tristeza.

Será que é saudade?

A ausência de quem amamos provoca um sentimento que nunca sabemos bem definir. Falta, privação, tristeza. Dizemos "saudade".

Afastamo-nos ou é a vida que nos afasta?

Porque nos deixamos ir nessa corrente que nos afasta? Dizemos : "é a vida.". Hoje não dá. Amanhã ... talvez ou talvez não. E a corrente leva-nos para mais longe, tornando mais difícil o regresso.

Sentimos a mágoa, a tristeza, a falta. A saudade?

Mas não para sempre. A corrente aumenta a distância. Lutamos contra a corrente ou deixamo-nos ir. Com um estranho aperto no peito. Saudade de nós?
publicado por lique às 23:51
link do post | quer comentar? | ver comentários (1) | favorito
|
Domingo, 6 de Fevereiro de 2005

Carnaval

Não gosto de alegria por encomenda. Não gosto de usar máscaras. Carnaval pode ser todo o ano ou nunca. Carnaval pode ser esfusiantemente alegre ou confrangedoramente triste. Não gosto de advérbios. Grandes então, nem pensar. E uso-os. Às vezes. Como já "brinquei" no Carnaval. Sem convicção. Em ambas as situações. Este ano, sei que estou mascarada. Do lado de cá. E a minha máscara começa a assentar-me mal. A incomodar. Eu nunca gostei de máscaras. Mas se a máscara fizer toda a diferença para os outros? Ainda que saibam que é máscara. Ou adivinhem. Este é um Carnaval sem quarta feira. Não sei quando nem como vai acabar. Estou presa nele. Cada dia que nasce é terça-feira.
publicado por lique às 18:51
link do post | quer comentar? | ver comentários (2) | favorito
|
Terça-feira, 1 de Fevereiro de 2005

Que seja então o silêncio!

Não sei de onde vem esta mágoa. Fundo, fundo, dentro de mim, há um lamento em surdina. Uma tristeza que não consegue exprimir-se em água nos meus olhos. Um nó atado no meu peito.
Palavras não consolam, as palavras podem ser afagos ou espadas. Por vezes, até são as duas coisas. Então cale-se tudo à minha volta! Ninguém me fale de amor ou de amizade. Ninguém me diga que amanhã será diferente. Eu sei que a mágoa partirá quando eu permitir que parta. Quando eu desfizer o nó.
publicado por lique às 20:10
link do post | quer comentar? | ver comentários (6) | favorito
|

sobre mim

pesquisar

 

outras palavras minhas

palavras recentes

Passeando na blogoesfera....

O Beijo

Reinvenção do mundo

de impossibilidades

Fixação

Ritual do silêncio

Poema à mãe

Azul, azul...

Ecos de Abril...

Desencanto

palavras guardadas

Dezembro 2007

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

blogs SAPO

subscrever feeds