Quinta-feira, 8 de Julho de 2004

Conversa paralela à realidade

due.jpg


Olho muitas vezes aquele retrato a carvão que está pendurado na sala. Atravesso a linha ténue que divide a sanidade mental da insanidade. Só pode ser loucura tentar obter respostas da rapariga do quadro. Jovem, cabelos encaracolados. Não se pode notar no retrato mas iria jurar que os cabelos são castanhos claros e os olhos de um castanho que tende para o verde, em dias de cansaço. É assim que eu a imagino. Olha-me com olhos determinados de quem sabe exactamente o que quer da vida. Não tem nada para me dizer. Mas… Se conseguisse falar com ela, nalgum plano paralelo ao real, talvez lhe dissesse que as certezas dos seus olhos vão ser desfeitas pouco a pouco. Que manterá aquele ar seguro mesmo quando tudo se desmoronar, tentando apanhar os cacos e seguir em frente. Podia também dizer-lhe que a sua vida não vai ser linear nem modelar, como ela pensa. Amizades, amores, ilusões e desencantos, podia contar-lhe tudo o que sei. Podia falar-lhe das alegrias e das tristezas. Sei que ela não me diria nada. Julgar-me-ia tão somente louca.
Bom é que não haja planos paralelos à realidade ou que eu não saiba qual o caminho para lá chegar. Assim, ela mantém o seu olhar de conquistadora do futuro e eu, a minha vida. Não perfeita, não sonhada, mas somatório de experiências que perfazem o que sou.



Quadro: Sara Villa
publicado por lique às 07:45
link do post | quer comentar? | favorito
|
39 comentários:
De Anónimo a 9 de Julho de 2004 às 15:26
Marta: a vida não é como nós a sonhamos, mas vamos dando um jeito. Obrigada pelo que dizes. Eu passo lá para ver o teu sorriso. beijinhoslique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 9 de Julho de 2004 às 15:24
MJM: pois é, o sonho alimenta... Não acredito que os teus somatórios não batam certos :)***lique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 9 de Julho de 2004 às 13:34
Também eu julgava os outros loucos e pensei que a vida seria sempre cor de rosa. Por vezes, precisamos dum safanão para compreender as coisas e depois, com consciência, podemos cometer todas as extravagâncias. Se há universos paralelos, não sei, mas gosto de imaginar que me posso retirar para lá, para pensar bem como vou encarar a crueldade da realidade. Obrigada por me ajudares a descobrir quem sou. Aqui desnudo o que sempre escondi e não há razão.
Tem um bom dia. Um abraço e já sabes, passa por lá.
Hoje, estou a rir-me.
MartaMARTA TEIXEIRA
(http://amartaeeu.blogs.sapo.pt)
(mailto:martamariabraga@clix.pt)
De Anónimo a 9 de Julho de 2004 às 12:20
Quando o somatório dá um bom produto, até as subtracções fazem sentido! "Bom é que não haja planos paralelos à realidade" (mas o sonho alimenta...) Kisses desta baby, q em contas sempre foi um desastre! ;)MJM
(http://babylonia.blogs.sapo.pt/)
(mailto:cacooco@hotmail.com)
De Anónimo a 8 de Julho de 2004 às 20:16
Encandescente: poetisa guerreira, também tu olhas os teus retratos de rapariguinha? Acredito que sim. beijinhos, amiga.lique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Julho de 2004 às 20:13
Sara (LibeLua): ela continua a acreditar e há coisas dela que ainda estão no meu olhar. Se assim não fosse, nem conseguia de certeza escrever isto, ou qualquer outra coisa. beijinhos, amiga.lique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Julho de 2004 às 20:11
Márcia: obrigada! Beijos a voar sobre o Atlântico.lique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Julho de 2004 às 20:10
Adesse: é recíproco, amiga! beijo grande.lique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Julho de 2004 às 20:08
Wind: Eu acredito que ficamos mais ricos. De experiência, de compreensão para com os outros, enfim... Mas mais desencantados. Tudo tem verso e reverso. beijinhoslique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Julho de 2004 às 20:06
Yardbird: não tenho dúvidas que a perfeição cansa. Mas, quando somos novos, julgamos que temos tudo controlado :) Um abraçolique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)

Comentar post