Terça-feira, 29 de Junho de 2004

Irrealidade

f088262p.jpg


Será que o sol brilha?
Talvez a paisagem lá fora
Seja cenário
Talvez a vida
Não seja real
Lua disco prateado
Escuridão túnel de brincar
Talvez eu seja actriz
Em cima do palco
Palavras texto
De uma peça qualquer
Lágrimas de fingir
Talvez a dor não exista
Na minha realidade
(O que é a realidade?)
Talvez eu só seja
Nalguma fantasia
No sonho de alguém
Ambígua identidade.


Março 1990
publicado por lique às 18:54
link do post | quer comentar? | favorito
|
42 comentários:
De Anónimo a 1 de Julho de 2004 às 23:35
A ambiguidade e a eterna incerteza que nos assalta e toma conta de todos os sentidos, quando menos esperamos. Como te compreendo, amiga. O teu belo poema obriga a seguir em frente sempre e de preferência com um sorriso nos lábios. Bjinhosamita
(http://brancoepreto.blogs.sapo.pt)
(mailto:amitaf324@hotmail.com)
De Anónimo a 1 de Julho de 2004 às 11:20
no sonho de alguém somos sempre realidades ambíguas. tb não sei que é a realidade, talvez seja esta a que escrevemos pq é a que sentimos.bj enormeencandescente
</a>
(mailto:encandescente@sapo.pt)
De Anónimo a 1 de Julho de 2004 às 11:02
Na fantasia, achamos que as coisas só acontecem aos outros!!! É um duro golpe perceber que não é bem assim. Por vezes, pergunto-me onde errei, mas a resposta está no meu blog e acho que já a leste.
Gostei muito. Obrigada. Tem um bom dia
MartaMARTA TEIXEIRA
(http://amartaeeu.blogs.sapo.pt)
(mailto:martamariabraga@clix.pt)
De Anónimo a 1 de Julho de 2004 às 01:21
Só para dizer que a selecção portuguesa ganhou!... Ainda não sabias, pois não, lique? Fico tão feliz por te trazer uma notícia, assim, em primeira mão... (Ambígua identidade...)OrCa
(http://sete-mares.blogspot.com)
(mailto:jorcas@netcabo.pt)
De Anónimo a 1 de Julho de 2004 às 00:16
Vá lá Dora não fiques triste, eu também vi o filme e se o meu post te traz lembranças dele, eu fico lisonjeada. Amiga, o trabalho e o Sapo hoje trocaram-me as voltas. E depois foi o futebol, claro. Gosto da frase que lembras: "Fecha os olhos e eu desapareço". Sinto-me assim, às vezes. Mas não hoje! Hje sinto-me real. Beijinhoslique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 30 de Junho de 2004 às 23:01
Eu vi esse filme Dora e adorei:)wind
</a>
(mailto:sagit_126@netcabo.pt)
De Anónimo a 30 de Junho de 2004 às 22:55
Ohhhhh mais uma vez sem respostas personalizadas :-((
É triste não ter feed-back...Sinto-me idiota, assim...Dora
(http://levementerotico.blogs.sapo.pt)
(mailto:ledamadrugada@yahoo.com)
De Anónimo a 30 de Junho de 2004 às 22:37
Desculpo? Eh pá eu nem acredito que estamos na final! Podem vir bagunçar aqui a barraca sempre que o resultado for este. Beijinhoslique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 30 de Junho de 2004 às 21:57
ai Lique desculpa estes comentários, por favor:-) beijos***wind
</a>
(mailto:sagit_126@hotmail.com)
De Anónimo a 30 de Junho de 2004 às 21:56

Agora vamos ao poema que aqui me trouxe... e já tinha lido, sem hipótese de comentar... Fizeste-me pensar num filme (também) em que a personagem era o Tom Hanks e vivia uma vida fictícia imposta desde criança por um talk show, tipo Apanhados (que o seguia a toda a hora...) Sou péssima para referências... Lembro-me que no final ele percebe que tudo à sua volta é ficção e vê-mo-lo no final rasgar o cenário gigantesco e escapar-se para o mundo real. Talvez seja isso, lique. Rasgar o cenário e descobrir a realidade. Qual? Não sei também. Eu pr´pria me começo a sentir fictícia...

deSarCamAmor
(http://oblogdalibelua.blogs.sapo.pt)
(mailto:desaracomamor@sapo.pt)

Comentar post