Segunda-feira, 28 de Junho de 2004

Existe um rio

rio_noite.jpg


Existe um rio. As casas, as pessoas não vagueiam na minha lembrança. Só sei que existe um rio. Sujeito a marés. O mar, ali perto.
Nas noites quentes, na velha ponte, costumo olhar as águas cumprindo o seu destino, deslizando suavemente para os braços do mar. De onde vêem aquelas águas, que terras fecundaram, quem nelas se banhou? O rio tem nome com sabor a sul e a sol, nome de mouro que por ali terá passado em busca da sua amada, nome doce de enrolar na boca. O rio tem vida. Peixes saltam como se quisessem escapar das águas. Como se o seu destino fosse em terra, atraídos pelo perfume dos jardins. E vidas se cumprem no rio, em direcção ao mar onde outros peixes aguardam. Ouço as conversas dos pescadores nos barcos, a canção, o assobio. E as gaivotas pairam por ali, chamadas por odores que as fizeram deixar o mar. Lá voltarão no rasto dos barcos.
De dia, o rio perde a magia, dissolve-se na azáfama dos carros, das gentes que passam com sol de praia nos olhos e na pele. Mas eu espero. À noite vai reaparecer o meu rio. Lá, eu lavo a alma de toda a poeira acumulada. É para lá que eu vou.

publicado por lique às 17:12
link do post | quer comentar? | favorito
|
45 comentários:
De Anónimo a 1 de Julho de 2004 às 00:25
Sara: os rios da nossa vida... Porque é que a água nos atrai, nos purifica, nos apazigua? Elemento essencial. E depois há os rios que correm dentro de nós! Beijinhos, amiga nesta noite de festa.lique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 30 de Junho de 2004 às 21:33

Este teu rio atravessou-me a alma. Suspeito qual seja. Mas não faço palpites. Há rios que nos lavam a alma como lavaram outrora a roupa que as lavadeiras carregavam no corpo. Eu sei de um rio...
Um rio que me espera na memória e vem desaguar no meu peito. Um dia, como tu, também para lá irei...
Excelente texto, querida lique...

LibeLua
(http://oblogdalibelua.blogs.sapo.pt)
(mailto:libeLua@sapo.pt)
De Anónimo a 29 de Junho de 2004 às 17:32
Zeus: saudades tuas tínhamos nós, oh Zeus dos zeuzes(??)... Como é que os mortais ficam quando Zeus lhes volta as costas? :) Bjslique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 29 de Junho de 2004 às 17:30
Analfabeto: o meu amigo anda muito poético. Passarinho novo? Ou é mesmo a alma que está lavada? Beijinhoslique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 29 de Junho de 2004 às 17:28
Betty: obrigada pela tua apreciação. Beijinhoslique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 29 de Junho de 2004 às 17:21
As saudades que já tinha desta doce mortal!Zeus
(http://blogdezeus.blogs.sapo.pt/)
(mailto:z_olimpo@sapo.pt)
De Anónimo a 29 de Junho de 2004 às 17:21
todos temos um rio que nos atravessa a alma...analfabeto
(http://analfabetosexual.blogs.sapo.pt)
(mailto:pp@sapo.pt)
De Anónimo a 29 de Junho de 2004 às 15:36
Adorei o rio onde lavas a alma da poeira acumulada. Parabéns!Betty
(http://betty@blogs.sapo.pt)
(mailto:ferreiraelisabete@hotmail.com)
De Anónimo a 29 de Junho de 2004 às 14:20
Encandescente: tem que existir mesmo, amiga. Senão, onde recarregamos as baterias que nos dão a energia? Beijinhoslique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 29 de Junho de 2004 às 11:29
existe um rio sim,um local de paz . texto muito mas mto bonito lique, bjencandescente
</a>
(mailto:encandescente@sapo.pt)

Comentar post