Sexta-feira, 7 de Maio de 2004

Morte ao meio-dia

lookingatsea.jpg


No meu país não acontece nada
à terra vai-se pela estrada em frente
Novembro é quanta cor o céu consente
às casas com que o frio abre a praça

Dezembro vibra vidros brande as folhas
a brisa sopra e corre e varre o adro menos mal
que o mais zeloso varredor municipal
Mas que fazer de toda esta cor azul

que cobre os campos neste meu país do sul?
A gente é previdente cala-se e mais nada
A boca é pra comer e pra trazer fechada
o único caminho é direito ao sol

No meu país não acontece nada
o corpo curva ao peso de uma alma que não sente
Todos temos janela para o mar voltada
o fisco vela e a palavra era para toda a gente

E juntam-se na casa portuguesa
a saudade e o transistor sob o céu azul
A indústria prospera e fazem-se ao abrigo
da velha lei mental pastilhas de mentol

Morre-se a ocidente como o sol à tarde
Cai a sirene sob o sol a pino
Da inspecção do rosto o próprio olhar nos arde
Nesta orla costeira qual de nós foi um menino?

Há neste mundo seres para quem
a vida não contém contentamento
E a nação faz um apelo à mãe,
atenta a gravidade do momento

O meu país é o que o mar não quer
é o pescador cuspido à praia à luz do dia
pois a areia cresceu e a gente em vão requer
curvada o que de fonte erguida já lhe pertencia

A minha terra é uma grande estrada
que põe a pedra entre o homem e a mulher
O homem vende a vida e verga sob a enxada
O meu país é o que o mar não quer



Ruy Belo, Boca Bilingue




publicado por lique às 17:38
link do post | quer comentar? | favorito
|
21 comentários:
De Anónimo a 9 de Maio de 2004 às 14:23
João Maria: obrigada pelo comentário e pela sugestão. Vou continuar a visitar-te, claro. Tem um bom domingo!lique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 9 de Maio de 2004 às 05:14
Acho que ias adorar ler a Margem da Açegria de Ruy Belo, não percas tempo, é para ti.

Até sempre e obrigada pelas visitas, ainda que tenha tido um acidente no meu Blog, apaguei dois artigos onde estava também o teu comentário, espero poder ter lá a tua marca, sendo que dediquei a minha página inteira, de fim-de-semana, a todos os participantes do Jogo da Imaginação...vai até lá se te apetecer. Parabéns pela escolha deste poema lindíssimo!João Maria
(http://apenasoamor.blogs.sapo.pt)
(mailto:joaomaria1@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Maio de 2004 às 19:01
Pantanero: OLÁ!! BOM FIM DE SEMANA!! BJSlique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Maio de 2004 às 19:00
maat7: agora jé é boa tarde, quase boa noite! Um bom fim de semana para ti! beijinhoslique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Maio de 2004 às 15:33
Dizem os Brasileiros, puxa vida, (cá na terra utilizamos outros termos, não muito ao agrado do pessoal de Lisboa). Isto para te dizer, Lique, que não tenho nada a dizer-te. Só quis imitar os muitos da nossa praça que precisam de umas quantas páginas A4 para dizer m...... , eu utilizo todo este palavreado para te dizer, OLÁ e bom fim de semana.

Pantanero
(http://pantanero.blogs.sapo.pt/)
(mailto:zh1951@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Maio de 2004 às 13:59
bom dia ruy belo!
bom dia , lique1


Fiquemos hoje com este sol que enviaste.

que belo!


bfs.
um bjinho,


maat7




maat7
(http://ardeoazul.blogs.sapo.pt)
(mailto:maat7@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Maio de 2004 às 09:17
Adesse: obrigada pela tua visita. Tem um bom fim de semana Bjlique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Maio de 2004 às 09:16
Encandescente: lembra um pouco, não é? Aqui ser "o que o mar não quer" é quase uma última frustação. "Que fazer de toda esta cor azul?" . Beijinhos. Bom fim de semanalique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Maio de 2004 às 09:13
José: Obrigada pelas tuas palavras. Pareceu-me um autor suficientemente importante e que não aparece muito aqui pela blogoesfera. Bjs. Bom fim de semanalique
</a>
(mailto:lique2@sapo.pt)
De Anónimo a 8 de Maio de 2004 às 09:11
Don Badalo: curioso que te tenhas lembrado de O'Neill porque eu estive quase para pôr um excerto de "O País relativo" e depois acabei por decidir-me por Ruy Belo. E aho que me decidi bem. Cuspir como se fosse no país é a forma de descarregarmos a nossa frustação por um país que não se cumpre. Bom fim de semana.lique
(http://mulher5oa60.blogs.sapo.pt)
(mailto:lique2@sapo.pt)

Comentar post