Sexta-feira, 10 de Dezembro de 2004

Jogo de cartas

Vamos jogar um jogo de cartas?
Baralha bem os teus sentimentos
Vê se as palavras não estão viciadas
Decide já se o trunfo é amor
Vai distribuindo números sedutores
Eu colecciono vasas de paixão
Ambos sabemos que ao jogar os ases
Vamos pôr a nu qual a nossa mão
Sabemos que o jogo chegará ao fim
Todas as cartas serão reveladas
Quem vai ganhar ou sai perdedor
Continua incógnita no jogo do amor
publicado por lique às 19:25
link do post | quer comentar? | favorito
|
3 comentários:
De Anónimo a 10 de Dezembro de 2004 às 23:40
Ola,

Venho alertar para algo que em meu entendimento parece muito estranho.
Trata-se da forma como os politicos vem o pais e o povo.
Ha umas semanas atraz surgia Mario Soares na televisao defender que estava iminente um golpe de estado em Portugal.

Depois num congresso do PCp aparece o entao eleito , nem vou citar o nome a defender a tomada de posse do poder , ainda que por uso a força fisica.

Francisco louça durante 4 meses a insinuar que Jorge Sampaio cometera uma institucionalinade ao dar posse ao governo de Santana Lopes.

Rumores e contra rumores quase diarios na televisao, uns jornalistas insinuando e outros , colegas a desmenti-los.

Manifestaçoes nas ruas em nome de varios sectores da sociadade, mas cuja presença era sempre confirmada pelos mesmos manifestantes.

Um governo recem empossado a tentar conhecer pastas que lhe eram novas e a deparar-se com um principio de guerra civil.
Pelo menos ameaças nao faltavam.

Entendo a posiçao do sr presidente da republica , diante de tal cenario dissolver a assembleia e propor eleiçoes antecipadas.

Ou seja, a entregar o poder ao povo, antes que grupos de arruaceiros acabassem por provocar uma guerra civil.

Na posiçao dele e para bem do pais foi bom nao haver objectivado em concreto os seus motivos.

Podia no entanto e em tom de reparo, haver escolhido outra data para as eleiçoes que nao favorecesse tanto a abstençao.

Disto isto importa analisar, onde esta situaçao teve sua origem.

O nosso pais ha cerca de 2 anos e meio viu um governo pedir exoneraçao em bloco, poiis deixaram o pais numa crise economica de tal magnitude que ate as farmacias ameaçavam com boicote aos medicamentos comparticipados, tal eram as dividas do estado.

O pais foi para eleiçoes , nas quais os portugueses votaram e escolheram o PSD, tendo este partido eleito na altura para 1º ministro do Dr Durao Barroso.

Este deparou com situaçao critica das finanças publicas e nao teve outra alternativa em nome do bem da naçao, que pedir esforço aos portugueses.

Todos sabemos que quando nos pedem maior taxa de esforço, estao tirando algo de nos, ou no minimo pedindo.

Em meados deste ano o Dr Durao Barroso teve o honroso convite para presidir ha Comissao Europeia, o que aceitou.

Na altura (Julho), colocou-se a hipotesse de dissoluçao do governo com marcaçao de eleiçoes antecipadas, embora nao convinha muito por o lider do maior partido da oposiçao , estar com a sua credibilidade afectada devido a afirmaçoes suas.
Cito:- Estou-me cagando para a justiça.

O presidente da Republica tomou entao a decisao de dar posse ao dr Santana Lopes , pois era o nomeado successor do partido mais votado nas anteriores eleiçoes legislativas.

Recordo que em eleiçoes legislativas nao é permitida a candidatura de particulares, logo é errado dizer que votou em Durao, pois nimguem em Portugal votou nele.

O lider do maior partido da oposiçao , sabendo da afectaçao que o seu descredito pessoal influenciou a decisao do presidente ha data, pediu a demissao de cargo no seu partido, conduzindo-o a um congresso do qual saisse novo lider.

Pois nao interresava quais os militantes, antes o lider , afectou na altura.

O PCP tambem fez um congresso do qual saiu tambem novo lider, este com grande vontade de protagonismo publico encerrou o congresso com fortes ameaças ao sistema democratico.
Recordo suas palavras, de tomar o poder ainda que por recurso se necessario a força fisica.

O Bloco de Esquerda durante 4 meses , mais nao fez que lançar insinuaçoes indignas quer ao sr presidente da republica , quer ao sr 1º ministro revelando falta de maturidade politica e pessoal.
Chamou-os inclusive de trapalhoes, numca objectivando a que se referia, se de facto tem algo a referir.
Já duvido, pois propostas desse partido ou contra propostas as suas criticas contam-se quase pelos dedos.

Diante deste cenario e com a dissoluçao da assembleia da republica , ficou a coligaçao com uma batata quente nas maos, de gerir o pais com recursos limitados , e com responsabilidade por inteiro.

Todos nos , quando paramos a pensar sabemos que alguem paga as eleiçoes e nao deve ser necessario citar a quem cabe a maior parte da factura.

Sabemos tambem que grupos economicos estao como costume em epocas de retoma economica , tentando deitar mao das empresas nacionais.

Com governo de gestao , será dificil encontrar legitimidade para defender a naçao numa causa dessas.

O orçamento ficou aprovado , tendo inclusive o sr presidente referido que deu mais uns dias ao parlamento para que a votaçao deste se concluisse.

Aqueles que o criticaram , pelos fundos da Caixa Geral de Depositos , concerteza esperam quando chegarem ao poder fazer uso dessas verbas.
Qual o argumento que irao apresentar aos funcionarios , apos tanta indignaçao que anteriormente mostraram?

Só sei que este governo conseguiu feitos que o de Guterres em 6 anos.
Todo o mundo la fora passou por um bullmarket de 1998 a 2000 ,enquanto nos por ca sempre se falou em crise.

Estamos em 2004 , o mundo inicia com alguma timidez um processo de retoma economica , enquanto os nossos agentes economicos , desde que começaram as ameaças de golpe de estado que vem retraindo seus investimentos.
Essa retracçao ira provavelmente continuar ate ser conhecido o vencedor das proximas eleiçoes.

No orçamento ora aprovado constam aumentos com algum significado para os salarios na funçao publica, pensoes de reforma e autarquias.

Ficou tambem extinto o serviço militar obrigatorio e o reconhecimento dos ex combatentes.



Nos , povo portugues , assistimos impavidos e serenos a tudo isto.
Dao-nos o direito de voto em troca do Domingo de Carnaval.

Como cidadao sacrificarei , mas talvez nem todos tenham a mesma cotagem.

seria bom divulgar esta mensagem para motivar os eleitores a sacrificar um pouco desse dia e ir exercer o seu direito maximo previsto na nossa constituiçao.

Por isso divulgueCarla
</a>
(mailto:liebchan@hotmail.com)
De Anónimo a 10 de Dezembro de 2004 às 23:34
Eu não te vou dizer o meu trunfo...
Para além disso perder ou ganhar o que importa...
Mas continuo a preferir o "strip-poker"...
Beijos.McClaymore
(http://mcclaymore.blogs.sapo.pt/)
(mailto:joaoamadeira@sapo.pt)
De Anónimo a 10 de Dezembro de 2004 às 23:29
o normal será o jogo ficar empatado, pois quem tem sorte ao jogo, perde no amor!caet
</a>
(mailto:arisko@sapo.pt)

Comentar post